Mercados & Tendências
10 de Agosto de 2020

Qual a importância de entender a elasticidade-preço para seu negócio?

Para que um empreendimento tenha sucesso, a análise básica da oferta e da demanda sobre determinado produto pode ser considerada restrita e insuficiente para direcionar para as melhores decisões.

Na microeconomia, o conceito de elasticidade-preço nos permite analisar como compradores e vendedores reagem a aumentos e reduções nos preços e como isso impacta as estratégias adotadas pelos empresários, a fim de aumentar a lucratividade de seu produto ou serviço ofertado.
Hoje falaremos sobre uma das principais elasticidades contidas na análise microeconômica: a Elasticidade-Preço da demanda.

A Elasticidade-Preço da demanda (Ed) permite ao empresário entender como os consumidores reagem a mudanças nos preços dos bens.

Dentro da análise da Ed há 2 classificações que se aplicam ao mercado:
Demanda elástica: Dizemos que um bem tem sua Ed elástica quando sua demanda é muito sensível ao preço; se o preço aumentar 10%, a demanda por tal bem é reduzida em níveis maiores do que 10%. Essa situação ocorre, geralmente, quando este bem possui os chamados bens substitutos. Para ilustrar tal situação, vamos usar como exemplo a caneta preta.

Em uma situação em que o preço da caneta preta suba 10% e da caneta azul permaneça constante, é provável que grande parte dos consumidores (mais do que 10%) que escolheriam a caneta preta, migrem seu consumo para a caneta azul, uma vez que esta é um substituto perfeito daquela.

Geralmente, esta situação se dá em ambientes em que a concorrência é grande e que o empresário deve estar sempre atento às inovações dos demais ofertantes.
Demanda Inelástica: Estes são os bens que são submetidos a uma lógica inversa da anterior, ou seja, a demanda pelo bem é pouco sensível à variação de preços. Neste caso, quando há um aumento do preço do bem ofertado, não há uma queda simétrica na demanda.

Podemos utilizar como exemplo o sal de cozinha. Caso haja um aumento de 15% no preço deste bem, não ocorrerá uma redução em seu consumo da mesma grandeza; tal fato ocorre pois este bem não encontra um substituto da mesma maneira que a caneta citada no exemplo anterior.

Quando o empresário se depara com seus bens classificados como inelásticos, ele poderá fazer aumentos nos preços, pois tal aumento não reduzirá a quantidade demandada e assim poderá gerar um aumento na margem de lucratividade. Seguindo esta lógica, a redução de preços não seria recomendada, uma vez que não gerará um aumento da demanda.

Este tipo de situação é típico de bens classificados como de primeira necessidade ou essenciais – falaremos mais sobre esta categorização e suas características no futuro neste blog.
Bom, agora que já explicamos brevemente a elasticidade-preço da demanda, podemos juntos fazer a análise dos produtos e serviços ofertados pela sua empresa através de ferramentas que ficam dentro do universo “economês”.

Dessa forma, será possível formular quais estratégias podem ser aplicadas para gerar ganhos financeiros e o aumento da lucratividade e da parcela de mercado do seu negócio!
Compartilhar
Travessa Portugal, 164
Piracicaba
contato@manduvimarketing.com.br